Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alien's Home

Tive de comentar porque...

por Alien, em 30.07.23

maria-vieira-parrachita (1).gif

 

maria-vieira-parrachita.gif

...as doenças mentais são um caso sério.

Sei que vos disse que estaria de regresso apenas em Setembro, mas, esta senhora deixa-me preocupada. É sem dúvida uma terrestre que necessita de ajuda. Não poderia ir de férias sem chamar a vossa atenção para esta mulher.

Esta senhora está, alegadamente, doente. Ponto. Em vez de arrasarem a terrestre, arranjem-lhe um bom psiquiatra.

Ora vejam lá o que disse sobre a recente separação da Catarina Furtado:

"A Furtado que é do amor e muito boazinha, fofinha, queridinha e bonitinha separou-se do marido; já eu que sou muito má, azeda, seca, feia, racista, «fassista», homofóbica e xenófoba continuo muito bem casada com o meu querido e amado marido(que não é de Estocolmo)há já 38 anos!

Huh??

Leiam o que escreveu sobre o terrestre Goucha e Cristina Ferreira:

" Isto são dois cromos televisivos que passam a vida a promover a homossexualidade e a transexualidade na porcaria da pantalha e a fazer trocadilhos deprimentes e ordinários sobre sexo. As pessoas podem sair da barraca, mas a barraca jamais sairá de muitas dessas pessoas."

 

What the f#ck?

Mas...mas...será que sou só eu que percebe que esta mulher não está bem?

Uma pessoa que tem como modo de vida insultar outros pelo prazer de ser falada à posteriori, não pode estar bem. Espera lá, mas eu também arraso terrestres! Sim. Mas, sempre com humor e educação.

Queridas vítimas da terrestre, para quê responder a uma pessoa que está, alegadamente, doente?

Tenho de dizer, alegadamente, para evitar um processo

 

Aprendam a ignorar e deixem a senhora escrever as suas parvoíces em paz. Sejam humanos. Entendam a doença. Enviem-lhe flores e bomboms, compreendam!

 

Mas isto sou só eu.

Ciúmes...

por Alien, em 16.01.23

((...)Every breath you take, Every move you make, Every bond you break, Every step you take,

I'll be watching you(...)

 

Como gosto de que os meus textos sejam lidos e sei que vocês não têm muita paciência para textos longos, vou tentar abordar este tema de uma forma sucinta e peço desde já que tenham isto em consideração

Nunca compreendi os ciúmes. Os terrestres são estranhos, sim. Mas nunca consegui processar verdadeiramente na minha cabeça, o conceito de ciúmes numa relação a dois.

Aquele tipo de relações em que o casal partilha uma vida e onde não há motivos para existirem ciúmes. Quero dizer: nenhumas das partes tem uma conduta que possa ser posta em causa. E esta é posta em causaNão alcanço o motivo de um deles, começar a "bater mal" e a suspeitar do parceiro. 

 

É ridículo. Os homens desconfiam de com quem elas falam ao telefoneCom quem se dão no emprego. Desconfiam das amigas porque as podem levar para o caminho da perdiçãoChegam a casa e são interrogadas, examinadas, sondadas até à exaustãoBasicamente o que lhes estão a chamar é de: VACAS! Sim. Estão a verbalizar: tu, mal eu viro as costas vais-te colocar debaixo do primeiro gajo que apareça. E elas ou escolhem aturar isto, ou pegam nas malas e porta fora. É humilhar a parceira basicamente, até ela dizer chega. Se não vivem juntos, não é preciso fazer as malas. Os tempos são outros. Manda-se uma sms a dizer: és doente, cansei-me!

 

Elas, seja o marido ou o companheiro, um homem lindo de morrer ou a maior aberração à face do planeta metem na cabeça de que todas as mulheres os querem comer. E chegam ao ponto de ler as mensagens do telemóvel, de snifar que nem caniches as camisas, de verificar os cartões de crédito, até de os seguir. Enfim, de fazer figuras tristes.

 

Ciúmes. Insanidade temporária?

 

Como se cura?

 

O ser humano aprende com a experiência e algum sofrimento. Sim porque o ser humano é como o macaco, se lhes damos choques eléctricos eles mudam o seu comportamento. 

 

Estes seres humanos, à custa de perderem outros que amavam graças aos malditos ciúmes, começam a pesar as suas atitudes. Pode levar o seu tempo. Mas vão mudando. Até que algures no espaço e no tempo aparece outro ser humano que voltam a amar e que devido à experiência dos choques eléctricos, começam a olhar para a relação de outra forma. E mesmo que tenham pequenas recaídas, guardam-nas para si. Estes seres humanos vencem os ciúmes. Vencem a doença.

 

Uma relação para funcionar é necessário que o outro saiba dar ao seu companheiro/a espaço. Que não esteja constantemente a respirar em cima do seu pescoço. A palavra "indivíduo" não existe à toa. Apesar de formarem um casal, dentro desse casal existem dois indivíduos que necessitam de ar, se esse ar é suprimido por um ciúme doentio, o outro não tem como respirar, como viver. É assim que eu vejo os ciúmes.

Quem ama não desconfia, confia.
O ciúme doentio mata o amor.

O ciúme saudável,leve,brincalhão, esse é bem vindo.

Deu-me para aqui, a importância da ervilha na alimentação Portuguesa é algo em que também ando a pensar. Fica para a próxima.

My wife's jealousy is getting ridiculous.

The other day she looked at

my calendar and wanted to know who May was.

Rodney Dangerfield